O que é Arte? O que ela é essencial para nós?

Artes vem do Latim ars, artis – forma de ser ou agir, conduta, habilidade, ciência, talento, ofício. Artes Plásticas remete às artes do escorço, da pintura, da estátua da arquitetura.

Porém a Arte frequentemente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada a lascar da percepção, das emoções das idéias, com objetivo de estimular essas instâncias da consciência dando um significado único dissemelhante para qualquer obra.

A arte é uma geração humana com valores estéticos (formosura, estabilidade, simetria, insubordinação) que sintetizam emoções, história, sentimentos cultura. É um conjunto de procedimentos utilizados para realizar obras, quando aplicamos nossos conhecimentos (técnica, habilidade). Porém a concepção de arte continua, nos dias de hoje em dia, objeto de grandes debates, permanece, a rigor, indefinido. Porém na bibliografia especializada designa frequentemente atividades que têm peculiaridades criativas estéticas.

‘Arte é a sentença magistral incontendível da percepção do Belo’. Fácil, o homem percebe alguma coisa Belo (tópico) ao ser volta, o interpreta da sua forma, expressa suas interpretações suas emoções adquiridas com este Belo, em uma obra. A obra logo, atinge aqueles que a veem, instigando novas interpretações, novas emoções, novas reflexões sobre o tópico em questão.

Porém porque razão Arte? Que a relevância dela em nossas vidas?

Diria, de modo fácil interesseiro: porque arte é um escape. escapes são necessários. Porém isso é o que arte é para mim, de tudo. Aliás, é uma forma, pra mim, de sonhar, de me forçar a ver o planeta de outras formas, através do que se esconde na mente de qualquer artista, trazendo conhecimento reflexão sob um novo óptica sobre determinado tema. É um escape do planeta real, que nos dá outras opções de visão, pra vivenciarmos esse planeta de formas melhores.

Um post escrito há pouco sobre a Alpine Fellowship, uma instituição artística na Patilha, fundada por um companheiro de faculdade meu, Alan Lawson, que visa ensinar pintura clássica promover conhecimento filosofia no tema da Arte, fala muitíssimo muito sobre o tema. O post descreve a palestra do Pensador Mestre Roger Scruton.

“Como um dos mas ilustres ( prolíficos) filósofos do planeta, Roger Scruton possui escrito sobre temas que vão a partir de a política conservadora ensino, à caça ao ambiente. Sua especialidade, porém, é a estética, o matéria quando este completou seu doutorado é, talvez, principal teórico do planeta no mesmo. Porém a questão da estética é, para Scruton, nunca um caso só. ‘As coisas com que nós mesmos nos cercamos as escolhas que fazemos sobre o que contemplar vêm a instaurar quem somos’. Para Scruton, a venustidade é um meio de justificar a vida – talvez o único -, logo, não só há magra coisa mas essencial do que discutir o sentido a direção que a Arte toma, porém não há nenhuma esfera da vida que não é impactada pela sua trajetória de evolução.

“A arte afeta a toda gente nós, diariamente, em diversos sentidos. A arte pra mim é uma forma de se conectar com emoções, de tornar-se mas humano. Antes, não existiam livros, filmes ou net, as obras de arte eram os únicos escapes que as pessoas tinham. foi por consequência que apareceu a arte, não foi? Para expressar, fazer sentir. As obras de arte eram feitas para festejar a vida, as coisas reais em girata das pessoas, para transmitir idéia sentimentos, narrar estórias histórias. As pessoas podiam ler uma estória em um estátua, ou em outra forma de arte.

Leia: 5 razões para ouvir música clássica

Veja 5 dicas para tirar fotografias melhores com o seu smartphone

“Arte sugere uma forma de ser, nos convida a sobreviver em sua visão. Ela cria um lugar quando nós almejamos estar, um lugar quando habitamos ao mesmo tempo nos esforçamos para chegar lá. Um orientação que não precisa de justificação além de si mesmo.” “A Arte nos transporta para um novo planeta, em nós mesmos, onde vamos poder aprender pensar, mudar.” “Arte é essencial porque ela nos fornece a possibilidade de interromper a marcha do tempo, para estar adiantado de nós mesmos reconhecer o que nos tornamos. Talvez até mesmo a julgar o que vemos.

“Mestre Scruton observou que, tanto como o paixão, a arte deve perder sua pureza, se diluída pelo questionamento excessivo. Varias vezes, devemos simplesmente aprender a cuidar de uma coisa de antemão de perguntar quando consiste o seu preço. , pois nosso tempo é de natureza limitada, o dedicação para nos meditar na arte – se bem que unicamente temporariamente – será continuamente mas transcendente do que o libido de colocar a pequenez da vida na tela.

acho que com esta última oração este quis expor que pensar nos espelhar na Arte é mas essencial do que a vontade de expressar mediania do dia-a-dia em forma barata de arte. Porém ‘verdades artísticas’ vêm mudando. Nossa idéia sobre o que é arte vem mudando. O ‘mal-parecido’, agora, também é arte. Arte, nos tempos de hoje em dia, é mas do que a procura pelo belo, porém também um meio de informação social, onde vamos poder abranger tópicos de montante social. Logo, além de nos encaminhar formosura, arte é também alguma coisa constituído para nos fazer filosofar meditar.